quarta-feira, 9 de novembro de 2011

[SINAPSES] Por um planeta mais inteligente - um pouco da palestra de Don Tapscott no IBM Forum - “Os impactos da tecnologia nas empresas e nas sociedades”. - Redes Sociais / Wikinomics / MacroWikinomics / Socialnomics



Por um planeta mais inteligente - um pouco da palestra de Don Tapscott no IBM Forum


O keynote speaker da 5º edição do IBM Forum foi o consultor canadense especializado em estratégia corporativa, Don Tapscott, com a palestra “Os impactos da tecnologia nas empresas e nas sociedades”.
O autor dos livros “Wikinomics” e “MacroWikinomics”, que tratam a economia através da colaboração em rede, apresentou os principais pontos dos seus livros, mostrando que estamos passando por uma revolução, que o futuro deve ser alcançado e não somente predito, e que é necessário mudar as empresas e as instituições atuais. Na obra “MacroWikinomics”, Tapscott destaca que é necessário reconstruir instituições para criar um país mais inteligente através da tecnologia e dos novos conceitos.
Para Don, inovação é a peça fundamental de tudo e a Internet é a melhor plataforma de colaboração global que existe, uma vez que reduz custos, aperfeiçoa processos, economiza tempo e permite que todos sejam editores. Esta é uma era de maior inteligência humana e de maior colaboração, mas que não é nova, já vem acontecendo há muito tempo, mas só agora é percebida.
Ele destacou os pontos fortes do momento pelo qual estamos passando, apresentando quatro chaves para mudanças: a revolução tecnológica, a geração internet, a revolução social e a revolução econômica.
A revolução tecnológica tem como base a Web 2.0, que permite integração, recursos de geo localização e também multimídia. A geração Internet representa os primeiros nativos digitais, que tem a tecnologia como fator de grande influência no crescimento e no aprendizado. Esta nova geração tem grandes chaves de colaboração, inovação, entretenimento, integração e tudo em grande velocidade.
Sobre a revolução social, ele lembrou que as redes sociais não podem fazer a revolução, mas são um meio para que ela aconteça. Isso pode ser verificado através das revoluções que acontecem no continente africano nos últimos tempos. Sobre a revolução econômica, ele mostra como enxergar o capitalismo de forma mais inteligente, utilizando a colaboração em rede, como no caso de uma fabricante  chinesa de motos que possui em torno de 40 parceiros, cada um especializado em uma parte da moto.
Sobre o Brasil, ele destacou que as oportunidades são muitas, tendo em vista que temos grandes eventos, como a Copa do Mundo e as Olimpíadas, nos próximos anos e com o atual cenário econômico nacional, com diversas organizações olhando para a América Latina e, principalmente, para o nosso País.
Don também falou sobre os principais fatores que integram um planeta inteligente, sendo eles: colaboração, transparência, compartilhamento, interdependência e integridade, e finalizou afirmando que “Inovação não é mais opcional. Quem entender isso terá vantagem competitiva”.
DISCOVER RELATED RESOURCES TAGGED [ibm_forum smartplanet don_tapscott dontapscott wikinomics planetainteligente ibmforum macrowikinomics]

This BlogThis Blog All BlogsAll Blogs  Del.icio.usDel.icio.us  TwitterTwitter



Rede social

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Disambig grey.svg Nota: Se procura pelo filme de 2010, veja A Rede Social.

http://bits.wikimedia.org/skins-1.18/common/images/magnify-clip.png
Rede social
Uma rede social é uma estrutura social composta por pessoas ou organizações, conectadas por um ou vários tipos de relações, que partilham valores e objetivos comuns. Uma das características fundamentais na definição das redes é a sua abertura e porosidade, possibilitando relacionamentos horizontais e não hierárquicos entre os participantes. "Redes não são, portanto, apenas uma outra forma de estrutura, mas quase uma não estrutura, no sentido de que parte de sua força está na habilidade de se fazer e desfazer rapidamente." [1]
Muito embora um dos princípios da rede seja sua abertura e porosidade, por ser uma ligação social, a conexão fundamental entre as pessoas se dá através da identidade. "Os limites das redes não são limites de separação, mas limites de identidade. (...) Não é um limite físico, mas um limite de expectativas, de confiança e lealdade, o qual é permanentemente mantido e renegociado pela rede de comunicações." [2]
As redes sociais podem operar em diferentes níveis, como, por exemplo, redes de relacionamentos (facebook, orkut, myspace, twitter), redes profissionais (LinkedIn), redes comunitárias (redes sociais em bairros ou cidades), redes políticas, dentre outras, e permitem analisar a forma como as organizações desenvolvem a sua actividade, como os indivíduos alcançam os seus objectivos ou medir o capital social – o valor que os indivíduos obtêm da rede social.
As redes sociais tem adquirido importância crescente na sociedade moderna. São caracterizadas primariamente pela autogeração de seu desenho, pela sua horizontalidade e sua descentralização.
Um ponto em comum dentre os diversos tipos de rede social é o compartilhamento de informações, conhecimentos, interesses e esforços em busca de objetivos comuns. A intensificação da formação das redes sociais, nesse sentido, reflete um processo de fortalecimento da Sociedade Civil, em um contexto de maior participação democrática e mobilização social.

Índice

  [esconder
·         1 Formas de redes sociais
·         2 Análise de redes sociais
·         3 Referências
·         4 Bibliografia

[editar]Formas de redes sociais

As redes sociais costumam reunir uma motivação comum, porém podem se manifestar de diferentes formas. As principais são:
Redes comunitárias, estabelecidas em bairros ou cidades, em geral tendo a finalidade de reunir os interesses comuns dos habitantes, melhorar a situação do local ou prover outros benefícios.
Redes profissionais, prática conhecida como networking, que procura fortalecer a rede de contatos de um indivíduo, visando futuros ganhos pessoais ou profissionais.
Redes sociais online, tais como facebook, orkut, myspace, twitter, que são um serviço online, plataforma ou site que foca em construir e refletir redes sociais ou relações sociais entre pessoas, que, por exemplo, compartilham interesses e/ou atividades.

[editar]Análise de redes sociais



Um exemplo de um diagrama de uma rede social. O  com maior grau de centralidade de intermediação está representado em amarelo
A análise de redes sociais (relacionada com as redes complexas) surgiu como uma técnica chave na sociologia moderna. O conceito surgiu na Sociologia e Antropologia Social. No final do século XX, o termo passou a ser olhado como um novo paradigma das ciências sociais, vindo ser aplicada e desenvolvida no âmbito de disciplinas tão diversas como a antropologia, a biologia, os estudos de comunicação, a economia, a geografia, as ciências da informação, a psicologia social e, sobretudo, no serviço social.
A ideia de rede social começou a ser usada há cerca de um século atrás, para designar um conjunto complexo de relações entre membros de um sistema social a diferentes dimensões, desde a interpessoal à internacional.
Em 1954, J. A. Barnes começou a usar o termo sistematicamente para mostrar os padrões dos laços, incorporando os conceitos tradicionalmente usados quer pela sociedade quer pelos cientistas sociais: grupos bem definidos (ex.: tribos, famílias) e categorias sociais (ex.: género, grupo étnico).
Académicos como S.D. Berkowitz, Stephen Borgatti, Ronald Burt, Kathleen Carley, Martin Everett, Katherine Faust, Linton Freeman, Mark Granovetter, David Knoke, David Krackhardt, Peter Marsden, Nicholas Mullins, Anatol Rapoport, Stanley Wasserman, Barry Wellman, Douglas R. White ou Harrison White expandiram e difundiram o uso sistemático da análise de redes sociais.[3]
Em teoria, na estrutura das redes sociais os atores sociais se caracterizam mais pelas suas relações do que pelos seus atributos (gênero, idade, classe social). Estas relações tem uma densidade variável, a distância que separa dois atores é maior ou menor e alguns atores podem ocupar posições mais centrais que outros. Este fenômeno é explicado por alguns téoricos apontando a existência de laços fortes e fracos e a dos buracos estruturais onde se encontram os atores que não podem comunicar entre si a não ser por intermédio dum terceiro.[4]
No estudo da estrutura das redes sociais é necessário incluir as relações de parentesco de seus membros, redes sociométricas, capital social, redes de apoio, de mobilização, interconexões entre empresas e redes de política pública.
É composta por três elementos básicos:
§  Nós ou atores
§  Vínculos
§  Fluxos de informação (unidirecional ou bidimensional)

Referências

1.      [Duarte, Fábio e Frei, Klaus. Redes Urbanas. In: Duarte, Fábio; Quandt, Carlos; Souza, Queila. (2008). O Tempo Das Redes, p. 156. Editora Perspectiva S/A. ISBN 978-85-273-0811-3]
2.      [Capra, Fritjof. Vivendo Redes. In: Duarte, Fábio; Quandt, Carlos; Souza, Queila. (2008). O Tempo Das Redes, pp. 21/23. Editora Perspectiva S/A. ISBN 978-85-273-0811-3]
3.      Linton Freeman, The Development of Social Network Analysis. Vancouver:Empirical Press, 2006.
4.      LEMIEUX,VINCENT. MATHIEU OUIMET, Sérgio Pereira. Análise Estrutural das Redes Sociais. 1ª Edição.Instituto Piaget. 2008/01. ISBN 9789727719334

[editar]Bibliografia

§  Jackson, Matthew O.. (2003). "A Strategic Model of Social and Economic Networks". Journal of Economic Theory 71: 44–74. DOI:10.1006/jeth.1996.0108. pdf
§  Manski, Charles F.. (2000). "Economic Analysis of Social Interactions". Journal of Economic Perspectives 14: 115–36. [1] via JSTOR
§  Newman, Mark. (2003). "The Structure and Function of Complex Networks". SIAM Review 56: 167–256. DOI:10.1137/S003614450342480.
Ícone de esboço
Este artigo sobre sociologia ou sociólogo (a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.


   
Capa em Portugal 


   
 Capa no Brasil
Sinopse: Os media sociais estão a alterar a forma como comunicamos e agimos no mundo dos negócios. Podemos escolher ser submergidos por esta nova realidade ou compreender a sua dinâmica e tirar o melhor partido dela. Baseada numa pesquisa exaustiva, esta obra oferece-nos uma perspectiva fascinante do impacto revolucionário dos media sociais, analisa as suas implicações e ensina-nos a usar o seu poder para incrementar as vendas, cortar despesas de marketing e comunicar directamente com os consumidores. Uma obra baseada numa pesquisa exaustiva, em estatísticas e casos de estudo a partir da qual foi criado um vídeo revelador, disponível em http://socialnomics.net

Estamos conversando sobre Redes Sociais, seus conceitos , seus usos e seus efeitos na Escola de Redes




             





 “A escola é a rede” (representado na logomarca acima)

          Hoje somos 7.100 pessoas, em vários grupos temáticos, construindo conhecimento, de forma colaborativa, desde 2007.

          http://escoladeredes.ning.com/ (Escola de Redes [E = R]) 


--

Atenciosamente.
Claudio Estevam Próspero 
http://mitologiasdegaia.blogspot.com/ (Blog: Mitologias de Gaia)
http://criatividadeinovao.blogspot.com/ (Blog: Criatividade e Inovação)
http://redessociaisgovernanaliderana.blogspot.com/ (Blog:Governança e Liderança em Redes Sociais)
http://reflexeseconmicas.blogspot.com/ (Blog: Reflexões Econômicas)
http://poltica20-yeswikican.blogspot.com/ (Blog: Política 2.0 - Yes, WIKI CAN)
http://escoladeredes.ning.com/ (Escola de Redes [E = R]) 
http://romanticos-conspiradores.ning.com/
http://pt.wikipedia.org/wiki/Ecocidade 
http://www.nossasaopaulo.org.br/portal/ 
http://www.portalsbgc.org.br/sbgc/portal/ (Comunidade Gestão Conhecimento)

Antes de imprimir, pense em sua responsabilidade e compromisso com o MEIO AMBIENTE.

Nossa Espécie (Homo Sapiens Sapiens Demens - Edgar Morin) Agradece!
Se não quiser receber mais minhas mensagens avise-me para retirá-lo desta lista.

Nenhum comentário:

Postar um comentário